sábado, 25 de novembro de 2017

ISADORA DUNCAN - Bailarina



ISADORA DUNCAN
(São Francisco, EUA,1877 – Nice, França - 1927)

Bailarina

Fundou, em Baireute, a sua primeira escola. Na Rússia, Fokine tornou-se seu admirador, o mesmo acontecendo com Léon Bakst e Nijinski. Paris recebeu-a, então, com estrondosos aplausos, tornando-se um dos seus ídolos. Montou um estúdio em Neuilly, criando ali um corpo de baile, para a interpretação das melhores obras musicais.

Isadora pretendeu dar ao bailado um sentido essencialmente humano. O seu trabalho muito influenciou as novas correntes modernas da estética coreográfica.

Há um livro da sua autoria, A Minha Vida (1927), traduzido em diversos idiomas, que tem especial interesse para o conhecimento das ideias estéticas de Isadora e da evolução do seu processo artístico.

Fundou escolas de dança clássica em Berlim, Nova Iorque e Moscovo.
Morreu em circunstâncias trágicas, em Nice.


in “Dicionário de Mulheres Célebres”

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

CARLO GOLDONI - Dramaturgo


CARLO GOLDONI
(Veneza, Itália, 1707 — Paris, França, 1793)

Dramaturgo

Foi o grande renovador da commedia dell´arte italiana, o poeta que retratou uma Veneza quotidiana e contemporânea. Escreveu cerca de 50 libretos, 9 de óperas sérias e mais de 50 óperas cómicas.

As suas principais colaborações neste género foram estabelecidas com V.Ciampi e depois com Galuppi.

Os seus libretos inspiraram também Hayden, que musicou, em 1768, a Lo speziale, e Mozart, que em 1769 musicou La finta semplice.
De 1762 até à sua morte viveu em França, onde publicou umas célebres Memórias (1787).


in “Auditorium”

***

Palavras de Carlo Goldoni
Se prestássemos atenção ao que os outros podem dizer de nós, perderíamos depressa toda a possibilidade de fazer bem.”


quinta-feira, 23 de novembro de 2017

CASA-MUSEU FIALHO DE ALMEIDA




CASA-MUSEU FIALHO DE ALMEIDA

O escritor Fialho de Almeida nasceu em Vila de Frades em 1857. De configuração popular, a Casa desenvolve-se num único piso e pauta-se por uma enorme depuração arquitectónica.

Todavia, mais do que o interesse que pode apresentar no âmbito das tipologias da arquitectura popular, este imóvel reveste-se de particular importância pelo facto de ter sido habitado pelo escritor e por lhe ser associado todo um simbolismo relacionado com esta tão relevante figura da literatura portuguesa.

Tendo estudado em Lisboa desde os 15 anos, acabou por se formar em medicina, carreira que abandonou de imediato para se dedicar exclusivamente à literatura, com uma imensa produção realista, numa vertente caracterizada pela ironia e pessimismo.

A sua vasta obra ficou marcada pelos artigos dos jornais (entre 1889 e 1894) reunidas sob a designação "Os Gatos" e "Pasquinadas", entre outros. Os contos encontram a sua melhor expressão nos títulos "Contos" (1881) e "O País das Uvas" (1893) ou ainda na "cidade do Vício", de 1882.



in “Património Cultural” (excerto)

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

INGMAR BERGMAN – Dramaturgo e cineasta



INGMAR BERGMAN
(Suécia, 1918 - 2007)

Dramaturgo e cineasta

Estudou na Universidade de Estocolmo, onde se interessou por teatro e, mais tarde, por cinema. 

Discípulo de Victor Sjöström e de Mauritz Stiller, herdou de seus mestres o gosto pelo expressionismo poético, característica maior e melhor do cinema mudo sueco dos anos vinte. Ressuscita, assim, para o mundo, a cinematografia da Suécia e, a partir de 1950, perfeitamente senhor de si e de seu ofício , desenvolve uma temática de preocupações metafísicas. 

Estranho, requintado, apuradíssimo, o cinema de Ingmar Bergman singulariza-se muito mais pelo conteúdo do que pela forma, embora esta, fundamentando-se na melhor tradição fílmica, atinja por vezes uma beleza e uma perfeição raras.

Alguns dos seus filmes: Morangos Silvestres; Uma Lição de Amor; O Sétimo Selo; Sorrisos de uma Noite de Verão; O Ovo da Serpente; Fanny & Alexander; Persona; O Silêncio; A Flauta Mágica.


in”Enciclopédia de Cultura”

***
Palavras de Ingmar Bergman

“Nossas relações sociais são limitadas, a maioria do tempo, a fofocar e criticar o comportamento das pessoas. Esta observação lentamente empurrou-me para o isolamento da chamada vida social. Meus dias se passam na solidão.“



terça-feira, 21 de novembro de 2017

CÉSAR VALLEJO – Os passos distantes




CÉSAR VALLEJO
(Santiago de Chuco, Peru, 1892 – Paris, França, 1938).
Poeta
Foi um dos maiores poetas hispano-americanos do século XX.

***

OS PASSOS DISTANTES  
Meu pai repousa. Seu semblante augusto
semelha um aprazível coração;
parece-me tão puro...
se há nele algo de amargo, serei eu.

Há solidão em toda casa; rezam;
não há notícia de seus filhos hoje.
Meu pai desperta,  atenta os olhos
à fuga para o Egipto, o lancinante adeus.
Parece-me tão próximo;
se há nele algo distante, serei eu.

E minha mãe passeia nos jardins,
saboreando um sabor já sem sabor.
Parece-me tão suave,
tão asa, tão saída, tão amor.

Há solidão na casa silenciosa,
sem notícias, sem verde, sem infância.
E se algo há de quebrado nesta tarde,
que baixa e que se parte,
são dois velhos caminhos curvos, brancos.
Por eles vai meu coração a pé.

Tradução: Ivo Barroso.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

JOÃO CABRAL DE MELO NETO - Difícil ser Funcionário



JOÃO CABRAL DE MELO NETO
(Recife, Brasil, 1920 — Rio de Janeiro, 1999)

Poeta

DIFÍCIL SER FUNCIONÁRIO

Difícil ser funcionário
Nesta segunda-feira.
Eu te telefono, Carlos
Pedindo conselho.

Não é lá fora o dia
Que me deixa assim,
Cinemas, avenidas,
E outros não-fazeres.

É a dor das coisas,
O luto desta mesa;
É o regimento proibindo
Assovios, versos, flores.

Eu nunca suspeitara
Tanta roupa preta;
Tão pouco essas palavras —
Funcionárias, sem amor.

Carlos, há uma máquina
Que nunca escreve cartas;
Há uma garrafa de tinta
Que nunca bebeu álcool.

E os arquivos, Carlos,
As caixas de papéis:
Túmulos para todos
Os tamanhos de meu corpo.

Não me sinto correto
De gravata de cor,
E na cabeça uma moça
Em forma de lembrança

Não encontro a palavra
Que diga a esses móveis.
Se os pudesse encarar…
Fazer seu nojo meu



Imagem:João Cabral de Melo Neto, por Homero Sérgio.


domingo, 19 de novembro de 2017

MARGRAVIAL OPERA HOUSE – Alemanha




MARGRAVIAL OPERA HOUSE


A Margravial Opera House é considerada uma obra-prima da arquitectura barroca de teatros do século XVIII. A decoração colorida e esplendorosa do interior da ópera é de tirar o fôlego do visitante. O mais belo teatro barroco conservado na Europa foi construído por Giuseppe Galli-Bibiena e seu filho Carlos de Bolonha, os mais famosos arquitectos de teatros da época.

O Ópera Margravial House foi adicionado à lista do Património Mundial da UNESCO em 2012.