domingo, 23 de fevereiro de 2014

Marta Mesquita da Câmara


 
Marta Mesquita da Câmara (1895-1980) nasceu no Porto.

Poetisa, jornalista, professora, tradutora e autora de literatura infantil, considerada pela crítica da especialidade, como uma das principais poetisas portuguesas.
 
Em 1924, publicou o seu primeiro livro de poesia, intitulado “Triste”.
Outras obras editadas: “Arco-íris”; “Pó do Teu Caminho”; “Relicário”;“Poemas”; “Poesias Completas”.
 
Colaborou em diversas publicações, tais como, ”Civilização”; “Alerta”; “Modas e Bordados”; “Senhor Doutor”; Mickey”; “ABC”.
 
Pertenceu à direcção da “Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto”.
Em 1967, foi homenageada pela Associação dos Jornalistas do Porto.

 
Alguns escritores fizeram referências elogiosas à poetisa, entre eles Jaime Cortesão, que a considerava, “pela elevação do sentimento e do vigor da forma, a primeira poetisa portuguesa.” 
 
 
          
             A maior mágoa

 

Cá dentro da minh'alma de mulher,
Alma feita de sonho e de incerteza,
Sedenta de afeição e de beleza,
Quantas coisas sonhei p'ra te dizer!...

 
Quantas coisas sonhei p'ra te escrever!...
Jamais mulher alguma, com certeza,
Cantou com tanto amor, tanta tristeza,
O bem que desejou sem nunca o ter!...

 
Porque a chaga mais viva, que mais dói,
Não é saudade do que a vida foi...
Ninguém nos rouba um doce bem vivido.

 
A mágoa do que foi é suportável;
É bem mais funda a mágoa irreparável
Daquilo que pudera, enfim ter sido!...

 

Marta Mesquita da Câmara

 

Sem comentários:

Enviar um comentário